Obras Faraônicas

Mario Eugenio Saturno
Dias atrás, diante de mais um fracasso econômico, vendo o ministro Mantega, lembrei-me de outro ministro todo-poderoso que também passou por vários governos, tinha um insuperável otimismo, boa lábia nas promessas de inflação e crescimento econômico, mas no fim do ano o fracasso também ficava evidente. Como vemos atualmente. Claro que falo do Delfin Neto.


Desgracadamente, minha memória trouxe-me outra lembrança horrorosa, a causa do fracasso do Brasil na década de 80, o desperdício de recursos! Enquanto alguns sonham com o “dinheiro” que virá do petróleo do pré-sal, que nem tecnologia existe para tal extração, o Erário que existe divide-se entre as suspeitas de corrupção (quantos ministros já caíram mesmo?) e os projetos no mínimo arriscados.

Qualquer um que tenha mais de 45 anos vai se lembrar dos investimentos em usinas nucleares, transamazônicas, e muitas pontes... Quando eu era petista, tinha uma lista dessas “obras”. E como esse mundo dá voltas, agora venho eu criticar as obras faraônicas do meu ex-partido. Coisa incrível os “companheiros” esquecerem que devem zelar pelo Erário justamente quando estão de posse dele!

Enquanto assistimos uma atuação pífia das autoridades econômicas para salvar nossa indústria, o projeto da transposição do São Francisco continua estagnada por conta do projeto básico imperfeito e cujas obras já realizadas estão deteriorando. Quem não se lembra, durante todo o governo anterior, do ministro Ciro, quase chorando diante das câmaras de televisão, jurando de pé junto que iria somente levar água para os sedentos sertanistas? A caatinga necessita de água, claro! Seria essa a solução mais viável economicamente? E por que não terminam? Explodiram os custos?

Outro mega-projeto que deve crescer os preços é o projeto do trem-bala, que ligará Campinas, São Paulo e Rio de Janeiro. Por uma módica quantia de 65 bilhões de reais, o dobro do que o governo estimara quando lançou o primeiro edital. Para surpresa do governo, nenhuma empresa apareceu. Ou seja, já previram que o trem-bala não terá passageiros suficientes para manter os trens vagando. Se os “experts” das grandes empresas não apostam, por que deveríamos apostar o dinheiro do contribuinte?

São Paulo - Rio? Ah! Eu tenho um apartamento em São José dos Campos defronte para a Rodovia Dutra e tenho testemunhado a quantidade gigantesca de caminhões que trafegam entre estas duas cidades. Ao lado, há uma ferrovia subutilizada. Não seria o caso de investir aí uns bilhõezinhos e tornar a troca de cargas mais eficiente e segura? Por que será que os ministros ou a própria presidente não enxergam isso? Creio que é mais uma “bat-missão” para nossos senadores e deputados.

E não nos esqueçamos onde está a demanda que justificaria investimento, claro que falo dos transportes urbanos sobre trilhos nas grandes cidades. Diferente da época da ditadura, nós podemos questionar o governo.

*Mario Eugenio Saturno (mariosaturno.blog.com) é Tecnologista Sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e congregado mariano.

Ler 823 vezes
Entre para postar comentários
Top