Mãe Paranaense

Ademar Traiano
O Paraná obteve avanços importantes na redução da mortalidade materna. O número de mortes em decorrência de complicações na gestação, no parto ou no pós-parto, teve uma queda de 36%, de janeiro a setembro de 2011.


Os dados são oficiais e foram divulgados na semana passada pelo Ministério da Saúde, durante videoconferência realizada com as secretarias estaduais e municipais de saúde. A redução no Paraná foi 21% maior do que na média nacional.

Mais do que a estatística, o que impressiona são as vidas salvas pela ação do Estado nos cuidados com as gestantes. No ano passado, a vida de 28 gestantes foram poupadas no Paraná em relação ao mesmo período de 2010.

Esses resultados foram obtidos a partir de práticas e políticas adotadas com base no programa Mãe Curitibana que tornou a capital do Paraná a detentora dos menores índices de mortalidade materna das capitais brasileiras.

Desde que assumiu o governo do Estado, em janeiro de 2011, a Secretaria de Estado da Saúde passou a utilizar essas políticas de saúde e, a partir do início deste mês o programa foi oficialmente estendido ao Estado inteiro, com o nome de Mãe Paranaense.

O programa Mãe Paranaense cria uma rede de atenção à saúde materno-infantil, abrangendo todas as regiões do Estado, garantindo amplo apoio aos municípios. A Rede Mãe Paranaense foi lançada depois de uma etapa de estruturação do sistema de saúde iniciada no ano passado, com o fortalecimento das unidades básicas dos municípios, dos consórcios intermunicipais de saúde e hospitais.

É um modelo já testado e aprovado, que se tornou referência nacional e é reproduzido em diversos Estados e capitais brasileiras. Com ele, Curitiba alcançou a menor taxa de mortalidade materno-infantil entre todas as capitais do país. A expectativa é que com a extensão do programa a todo o Estado o Paraná consiga avanços ainda maiores.

O governador Beto Richa lançou a Rede Mãe Paranaense para reforçar o atendimento a gestantes e recém-nascidos. Com a medida, o Governo do Estado organiza uma rede da atenção à saúde materno-infantil, abrangendo todas as regiões paranaenses, com amplo apoio aos municípios. O governo estadual vai investir R$ 90 milhões neste ano na rede especializada. Do total de recursos, R$ 30 milhões serão aplicados na construção, reforma e ampliação de Unidades Básicas de Saúde (UBS) e R$ 12 milhões para compra de equipamentos.

Outros R$ 30 milhões serão repassados aos municípios para custeio de equipes de saúde. Para o atendimento especializado (consórcios e hospitais), serão investidos mais de R$ 10 milhões e para a capacitação das equipes de saúde estão sendo investidos R$ 2 milhões este ano. A secretaria da Saúde está instituindo ainda um incentivo de qualidade do parto para os hospitais que atenderem os critérios da rede, que soma R$ 6 milhões.



Segundo o governador, a implantação desta rede é uma das prioridades do plano de governo. O objetivo é garantir as gestantes um pré-natal de qualidade, referência no parto hospitalar e o acompanhamento do desenvolvimento do bebê, em especial no seu primeiro ano de vida.

Ademar Traiano é deputado estadual pelo PSDB e líder do governo na Assembleia Legislativa.

Ler 830 vezes
Entre para postar comentários
Top