Conheça sete mandamentos para não sofrer por amor

Ainda que Camões tenha dito que o amor é fogo que arde sem se ver, é, sim, ferida que dói e se sente

O amor está em todo lugar. Nas canções sertanejas, é tema recorrente. Há pelo menos um filme por semana que estreia nos cinemas e que fala sobre amor. Faça uma busca no Google, por exemplo. Jogue a palavra "amor" no campo de busca e nada menos do que 913 milhões de referências aparecem. O organismo é o responsável por essa injeção de ânimo e adrenalina chamada amor. É o cérebro que libera substâncias como a dopamina, responsável pelo bem-estar e que estimula a euforia e excitação.

O coração pode até chegar ao ritmo de 150 batimentos por minuto na realização do amor. Mas, ainda que Camões tenha dito que o amor é fogo que arde sem se ver, é, sim, ferida que dói e se sente. E a sensibilidade é maior principalmente quando ele provoca sofrimento por razões diversas como dúvidas na relação, separação ou traição, por exemplo.

O que devemos compreender é que o sofrimento é desamor, egoísmo e a falta de entendimento desta arte maior que é amar. A psicóloga Rosângela Rossi explica que o enamoramento, paixão alegre e paixão triste também não são amor. Quando uma pessoa diz que sofre por amor, é por que não não compreende as diferenças entre estes sentimentos. "Sofre-se pela paixão triste que é ciúme, posse, controle, medo da perda e por todas as emoções negativas devoradoras. Amor é harmonia. Quem pensa bem, ama melhor. Logo, o amor é consciência amplificada", recomenda a especialista, autora do livro "A surpreendente Arte de Amar" (Editora Fundamento).

A psicóloga explica ainda que não esperar nada de ninguém nos auxilia a celebrar o que vem de positivo para a relação. "Sem expectativa evitamos muitas brigas e discursões inúteis. Perdemos muito esperando. Não há certeza de nada a vida. O amanhã e o depois é uma grande interrogação", aconselha.

As prateleiras das livrarias estão cheias de livros com regras para esquecer, encontrar e até se livrar de um amor. Confira a seguir os sete mandamentos elaborados por Rosângela Rossi, com base em seu livro "A surpreendente Arte de Amar".

Compreender é a chave
A compreensão abre nossos caminhos e nos liberta das mágoas e rancores. Quem pergunta o 'por que' já está amando em serenidade. Compreenda que somos imperfeitos e que os erros são parte da natureza humana. A compreensão nos liberta da ignorância do poder em relação a outra pessoa.

Aceite a singularidade
Cada pessoa tem seu jeito de ser e agir. Somos diferentes, com pensar e agir específicos. Aprendemos um com o outro e esperar que este outro seja como nós é o que leva ao sofrimento. Querer mudar seu par não tem relação com amor. Isso é prepotência e vaidade. Aceitar a singularidade e particularidade de cada pessoa é o que vale.

Respeite o seu e o limite do outro
As deficiências são tão difíceis de serem trabalhadas em nós mesmos! Por isso, paciência e tolerância são uma arte. Temos luz e sombras dentro de nós e há momentos em que nossas sombras se cruzam. Isso faz parte da vida e saber disso evita dor e sofrimento desnecessários.

Evite criar expectativas
Não esperar nada de ninguém nos auxilia a celebrar o que vem de positivo para a relação. Sem expectativa, evitamos muitas brigas e discursões inúteis. Perdemos muito tempo esperando. Não há certeza de nada na vida. O amanhã e o depois é uma grande interrogação.

Dialogue
Escute o que o outro tem a dizer. Dialogar não tem nada a ver com o aceitar e pensar igual. Dialogar é uma troca do pensar diferente e de opiniões diversas. Só através de uma escuta por inteiro do outro conseguimos chegar a um bom senso e até a achar saída sustentável para nós mesmos. A relação, assim, flui.

Brinque e tenha humor
Humor é uma prova de inteligência. Ria de si mesma. Ponha leveza e poesia em sua vida. Para que levar tudo tão a sério? Relaxe e goze com suavidade. Pare de complicar porque a vida é agora e pode não ter um amanhã.

Amor não combina com dor
O sofrimento é desamor, egoísmo e falta de entendimento desta arte maior que é amar. Mesmo enamoramento, paixão alegre e paixão triste ainda não é amor. Sofre-se pela paixão triste que é ciúme, posse, controle, medo da perda e por todas as emoções negativas devoradoras. Amor é harmonia. Quem pensa bem ama melhor. Logo, o amor é esta consciência amplificada sobre os nossos sentimentos. (Fonte: Tempo de Mulher)

Ler 1295 vezes
Entre para postar comentários
Top