Opan Gangnam Style?!

Não é novidade que hits surjam ao acaso na internet.


Em tempos de tantas conexões invisíveis, frequências de ondas - incompreendidas pelos jovens acadêmicos do ensino médio que pouco se importam com elas -, BBB e baladas Vips, eis que surge mais um “Top das paradas”; do tipo que bate redondo, envolvente. Com mais de duzentas e vinte milhões de visualizações no Youtube – o valor está corretíssimo- Gangnam Style tornou-se um sucesso global. Levando em consideração o atual gosto musical, pensa-se: “Com toda certeza trata-se de um ritmo desajeitado, cheio de lelele’s, ai se eu te pego ou arrochas.”. Ledo engano.  A música tem um refrão manjado: Oppan gangnam style. Na Tradução livre: Opa tem estilo gangnam. Ok, até aí, nada mais poético do que um “Assim você me mata”, concordo e lhes peço algumas linhas para explicar meu posicionamento.

“Gangnam Style” é um coloquialismo em língua coreana para se referir ao estilo de vida luxuosa, associada ao distrito de Gangnam,  uma área nobre e elegante de Seul.  O caso é que, quando PSY, cantor do hit e protagonista do clipe, parece estar em uma paradisíaca praia, encontra-se apenas em um parque infantil arenoso. Se você teve um Dejavu, lhe informo que é normal: As redes sociais contêm diversas fotos\vídeos da linha: “Ai meu Deus como é bom ser vida loka!”.

Opa é um jovem morador de gangnam. PSY é natural deste bairro, contudo, ele é contra toda a ostentação entorno da forma como vivem seus confrades. Em uma entrevista a uma TV americana - na ocasião PSY ensinou a “Dança do cavalo” para Britney Spears - falou sobre sua música: “Vista-se chique e dance brega.”. No famoso vídeo sua música é dançada em lugares públicos, enquanto outros correm, brincam ou andam de ônibus. Outro Dejavu? “Partiu para aquela balada top com as amigas.” Todos morrem de inveja do seu alto nível. Lá, nessa balada, você pode beber, dançar e ser você, longe dos olhos de quem sempre te vê. Certo?


A originalidade é um dos pontos fortes. A música fala de uma namorada perfeita, que sabe quando ser refinada e selvagem. Os resmungos em outra língua passam despercebidos quando contrastados a cômica dança. Tanta singularidade devia ser copiada. Foi o que o cantor Latino fez: “Homenageou” a brilhante ideia coreana. Tal fato rendeu ao cantor tupiniquim mais de sessenta mil “não gostei” no vídeo de sua música que “supostamente” vazou.

Há algo além da música. Apesar de sua batida contagiante, existe um fato que não consta no refrão repetitivo e tão menos no restante da poesia coreana: O Eu lírico. (A função do Eu lírico em poemas é trazer o leitor para dentro, fazer o leitor tornar-se poesia.) As pessoas identificam-se com o clipe, afinal, é ele que faz a maior parte do sucesso. Um lugar onde se possa ser você mesmo, vestir-se bem, dançar como quiser, andar como bem entender. O Gangnam Style mostra um mundo alternativo, uma ilha cercada de pose; um mar que banha futilidades sem igual. Há um pouco de Opa em cada ser que perambula pela terra, mas, a pergunta que resta: Quais são os benefícios em deixar de ser você?  Seu QI ou rendimento acadêmico não aumentarão proporcionalmente a camada de maquiagem, ao número de pessoas que você não saúda ou a quantia de “amigos” que você tem. Vista chique, caro amigo, dance brega.
Alencar Junior Proença, 18 Anos,

 Acadêmico do 2º Período de Medicina.   Twitter: @AlencarJrP

Ler 4402 vezes
Mais nesta categoria:

« O homem fábula
Entre para postar comentários
Top