VW Voyage ressurge para ser o novo líder

Um sinal de atenção passará a ecoar nas subsidiárias brasileiras de Fiat e Chevrolet a partir do próximo mês.

 O motivo é que o Siena e a dupla Corsa Sedan/Classic passarão a conviver em um ambiente ainda mais competitivo com a ressurreição do Volkswagen Voyage, sedã baseado no novo Gol e que herda as mesmas características do irmão hatchback.

Com uma expectativa nada modesta e à altura do segmento, a Volkswagen pretende comercializar, em 2009, cerca de 90 000 unidades do modelo, o que representa 7 500 carros ao mês. Para isso, além de um produto de qualidade, o preço foi trabalhado de uma forma agressiva. Composto de quatro versões; Voyage 1.0, Voyage 1.6, Voyage 1.6 Trend e Voyage 1.6 Comfortline, os valores partirão, respectivamente, de R$ 30 990, R$ 35 180, R$ 37 600 e R$ 39 430.

Com essas configurações, a marca espera que o mix de vendas fique dividido em 26% para o Voyage 1.0 e o restante, ou seja, 74% será preenchido pelos veículos com motorização 1.6 l. Aliás, esses propulsores são os mesmos VHT (Volkswagen High Torque) que estão presentes com Gol. Abastecidos com álcool, o 1.0 l rende 76 cv de potência a 5 250 rpm e 10,6 kgfm de torque a 3 850 rpm. O 1.6 l, por sua vez, desenvolve 104 cv também nas 5 250 rpm e 15,6 kgfm de torque a 2 500 rpm.

As duas versões de entrada terão como equipamentos de série o banco do motorista e cintos de segurança dianteiros com regulagem de altura, relógio digital, farol com duplo refletor, rodas de aço 14", desembaçador traseiro e porta-malas com abertura elétrica. Uma nova cor, o Vermelho Apple, será exclusiva do Voyage.

A intermediária 1.6 Trend (que deverá ser o modelo mais vendido dentro da gama) agrega os itens das versões de entrada mais direção hidráulica, conta-giros, chave canivete e portas revestidas em tecido. O Voyage 1.6 Comfortline terá tudo isso mais os vidros e travas elétricos, seis alto-falantes, coluna de direção com regulagem de altura e profundidade, faróis de neblina, rodas de aço 15" e detalhes exclusivos de acabamento.

Em relação ao Gol, o Voyage conta com uma carroceria 7% mais rígida e pode carregar 10% a mais de carga, o equivalente a 440 kg. O comportamento do veículo não está completamente diferente do hatch, mas o Voyage transmite ao motorista uma sensação maior de firmeza.

Pensados em conjunto, Gol e Voyage são baseados na mesma plataforma de Fox e Polo, a PQ 24, porém ambos contam com algumas modificações que estarão presentes na futura arquitetura PQ 25. Logo, a dupla novo Gol/Voyage foi construída com as soluções mais modernas criadas pela Volkswagen para carros compactos. Isso fica nítido ao se avaliar o espaço interno do Voyage. Um passageiro com mais de 1,80 m pode viajar tranqüilo no banco traseiro sem o incômodo de encostar a cabeça no teto ou o joelho encostar no assento dianteiro.

Já o porta-malas é capaz de abrigar 480 litros de bagagem. Ele é menor que o de Renault Logan (510 litros), Fiat Siena (500 litros) e Ford Fiesta Sedan (491 litros), porém supera o de concorrentes como Chevrolet Prisma (439 litros), Chevrolet Corsa (432 litros) e Chevrolet Classic (390 litros).

Para rebater algumas críticas da ausência de uma opção com motor 1.4 l, o qual a Volkswagen já possui e equipa a Kombi, o gerente responsável pela área de powertrain (designação em inglês para o conjunto formado por motor e câmbio), João Alvarez, enfatiza que " o 1.6 VHT é capaz de conciliar a mesma economia dos motores 1.4 de nossa concorrência com uma potência maior".

Para provar isso, a marca apresentou aos jornalistas presentes no lançamento um teste de autonomia – certificado pelo Instituto Mauá de Tecnologia – que envolveu dois Voyage, nas versões 1.0 e 1.6, e seus principais adversários com propulsores 1.0 l, 1.0 l 16V, 1.4 l e 1.8 l.

Em suas configurações básicas, os carros foram abastecidos com gasolina comum e deveriam sair da capital paulista e chegar até Brasília (DF), percorrendo ao todo mais de 1 000 km. Somente os dois carros da Volks conseguiram cumprir o caminho completo com um consumo na casa dos 19 km/l, tanto o 1.0 l como o 1.6 l. Para aumentar a autonomia com álcool, a VW colocou no Voyage um tanque de combustível de 55 litros, um dos maiores da categoria.

Ler 526 vezes
Entre para postar comentários
Top