Leite Sudoeste:  Conselho da Rede Láctea atualiza dados dos projetos
Assessoria

Assessoria

Integrantes do conselho de gestão da Rede Láctea Territorial do Sudoeste do Paraná das Unidades Associativas da Agricultura Familiar estiveram reunidos na sexta-feira (8) na Associação dos Municípios do Sudoeste do Paraná (Amsop) para deliberar andamento dos projetos.

Em discussão temas como a contratação de técnicos para ingressar no apoio de campo ao projeto Leite Sudoeste, orçamento estimado das unidades da Rede, compra dos veículos e posicionamentos sobre a proposta de mapeamento genético. O conselho se reúne pelo menos uma vez por mês para atualizar informações de forma democrática.

A coordenadora do projeto de convênio entre Arfacar-Sul (Associação das Casas Familiares Rurais do Sul do Brasil), Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e Leite Sudoeste, Dirce Maria Slongo relatou a dificuldade em atender as exigências da chamada pública do MDA para contratação dos técnicos. Segundo ela, a chamada pública (espécie de licitação para contratar) determina que 100% dos contratados para as 19 vagas ofertadas precisam necessariamente ter se formado, feito cursos, e atuado nas Casas Familiares Rurais. “Enviamos 32 ótimos currículos, pessoas até com mestrado, mas nem todos tiveram essa formação exigida. É praticamente impossível atender todos os itens”, explicou Dirce. Na mesma tarde, com aval do conselho, definiu com superintendência do MDA o envio da sugestão para reduzir para pelo menos 60 % ou 50% a obrigatoriedade, e não os 100% como pede o chamamento hoje.

Atuação

O convênio da Arcafar, denominado de chamada pública ATER – Sustentabilidade Leite, vai contratar zootecnistas, médicos-veterinários e técnicos em agropecuária para atuar em 1.000 propriedades do Sudoeste, com prioridade aos 15 municípios que ainda não foram atendidos em outros convênios do gênero. A chamada pública foi firmada no valor de R$ 3.166.460,91 para cobrir o projeto pelo período de 40 meses.

Orçamento Rede

Na ocasião o consultor do projeto Kazushige Asanome (Kazu) relatou sobre o estágio da chama pública para os investimentos nas unidades de recebimento e processamento do leite. Comentou sobre o orçamento preliminar para as três unidades da Rede, e a contrapartida necessária ao projeto. A chamada pública junto ao BNDES é de R$ 20 milhões, que exige outro tanto de participação dos parceiros e municípios beneficiados com as unidades.

Sobre a questão dos 42 veículos que serão adquiridos para o projeto Leite Sudoeste, José Kresteniuk, em nome da Amsop salientou que foi aberta uma nova licitação com os valores ajustados a nova realidade do mercado e tramita na Secretaria de Administração e Previdência (SEAP) desde o início de março. Ainda relataram sobre as discussões da proposta de mapeamento genético no rebanho leiteiro, além de parcerias e ações.

Ler 1333 vezes

Itens relacionados (por marcador)

Entre para postar comentários
Top