Universidades Estaduais do Paraná estão entre as melhores do Brasil
Divulgação

As sete universidades estaduais do Paraná estão entre as melhores instituições de ensino superior do Brasil, conforme o Ranking Universitário da Folha 2016 (RUF), divulgado na segunda-feira (19) pelo jornal Folha de São Paulo.

Foram avaliadas 195 instituições do País em cinco indicadores - Pesquisa, Inovação, Internacionalização, Ensino e Mercado. O ranking tem o propósito de ajudar os estudantes na escolha do curso e da universidade, além de facilitar o acompanhamento do ensino superior brasileiro.

As Universidades Estaduais de Maringá (UEM) e Londrina (UEL) foram as instituições melhor colocadas do sistema estadual de ensino superior. A UEM está na 24ª colocação no ranking geral, com 33 cursos avaliados. Os destaques são os cursos de Agronomia, que é o 7º melhor avaliado do Brasil e o de Engenharia Química, em 10º lugar. O indicador que ficou com o melhor desempenho nos cursos avaliados foi Inovação, que teve a 18ª melhor nota entre as universidades avaliadas.

O vice-reitor da UEM, Júlio César Damasceno, disse que a universidade vem consolidando sua posição de liderança entre as universidades brasileiras, avançando em alguns dos indicadores. No item Mercado saltou de 35ª para 29ª posição e subiu uma posição no indicador Ensino. Damasceno destaca ainda que vários cursos da UEM ficaram entre os vinte melhores do País. “A boa avaliação da UEM é um reflexo dos investimentos feitos ao longo dos anos na qualificação do ensino. Acredito que esses números tendem a ser ainda melhores à medida que os novos cursos forem se consolidando”.

A UEL ficou em 25º lugar no ranking geral com 31 cursos avaliados. Destaque para Biomedicina e Moda, os dois na 6ª posição no ranking. O melhor desempenho da instituição foi nos quesitos Inovação e Ensino, com o 20º lugar.

A Universidade Estadual de Londrina conquistou nota final de 81,59 num máximo de 100, conforme os indicadores Ensino, Pesquisa, Mercado, Inovação e Internacionalização. Para a diretora de Avaliação e Acompanhamento Institucional da Pró-Reitoria de Planejamento, professora Martha Marcondes, em todos os pontos a UEL manteve boa avaliação e continua em posição de destaque entre as universidades do Estado e do Brasil. “Nossas notas estão boas tanto individualmente como na média geral”, afirma.

Na relação das 100 melhores instituições de ensino superior foram classificadas ainda outras quatro do sistema estadual. A Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) subiu algumas posições em relação ao ano anterior e ficou na 57ª colocação, com 23 cursos avaliados. A instituição teve os cursos de Agronomia e Turismo entre os melhores avaliados da universidade. O quesito de destaque da UEPG também foi Inovação, posicionando a instituição no 34º lugar entre as instituições avaliadas do Brasil.

A Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), que também subiu no ranking em relação ao ano anterior, ficou no 60º lugar, com destaque para os cursos de Turismo, Serviço Social e Agronomia, que ficaram entre os 45 melhores no Brasil.

A Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro) ficou na 108ª colocação no ranking geral, com 25 cursos avaliados dos 65 ofertados pela instituição. Agronomia, Serviço Social e Turismo foram os melhores cursos da Unicentro. Já a Universidade Estadual do Norte do Paraná (Uenp) ficou na posição 170 e a Universidade Estadual do Paraná (Unespar) está em 177º lugar no ranking geral.
RUF - O Ranking Universitário da Folha é uma listagem das universidades brasileiras, de acordo com a qualidade. Para chegar ao resultado, a Folha criou uma metodologia própria, que tem como referências avaliações internacionais consolidadas, mesclando indicadores de pesquisa e de inovação e a opinião do mercado de trabalho e de pesquisadores renomados cadastrados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep-MEC).

Ler 2528 vezes

Itens relacionados (por marcador)

  • Prefeituras receberam quase R$ 20 milhões a menos em ICMS no semestre

    Gestores estão cortando despesas para enfrentar momento de crise nas contas públicas.

     

    Da assessoria/Amsop

    Apesar do aumento nos repasses de ICMS às prefeituras da região em junho, o primeiro semestre do ano terminou com queda de R$ 19,6 milhões nas transferências do imposto. Os meses com pior resultado foram abril e maio, quando a redução foi de 33% e 40%, reflexo da redução da atividade econômica em função das medidas de combate ao coronavírus.

     

    Os repasses de ICMS aos 42 municípios do Sudoeste totalizou R$ 261 milhões entre janeiro e junho deste ano, valor menor que os R$ 280 milhões do mesmo período de 2019, segundo levantamento feito pela Amsop (Associação dos Municípios do Sudoeste do Paraná). E as transferências do imposto são apenas uma das que as prefeituras recebem do governo do Estado e Federal para custear despesas e realizar investimentos e que também foram afetadas. A arrecadação própria dos municípios (com IPTU, ITBI, ISS...) foi reduzida.

     

    A União está complementando parte do FPM e aprovou o repasse de dois auxílios emergenciais a estados e municípios, mas somente uma parte destes recursos chegou às prefeituras.

     

    Corte de gastos e cumprimento das obrigações

  • Em 24 horas, Brasil soma 41,8 mil casos e 1,3 mil mortes

    A atualização diária divulgada pelo Ministério da Saúde na terça-feira, 14, registrou 41.857 novos casos do novo coronavírus e 1.300 óbitos por Covid-19 confirmadas entre a segunda-feira e ontem.

  • Sudoeste do Paraná tem mais de 481 mil eleitores

    A Justiça Eleitoral divulgou dados referentes ao mês de maio de eleitores que já estão aptos a votar nas eleições municipais de 2020.

  • 215 pessoas morreram em decorrência da Covid-19 no Paraná

    Nesta quinta-feira foram divulgados mais dez óbitos, o maior número registrado em um único informe epidemiológico, desde o início da pandemia, há 81 dias. Estado tem 327 novos casos e total é agora de 5.820 diagnósticos.

  • Paraná investe R$ 23,3 milhões em equipamentos para escolas

    As 2,1 mil escolas da rede estadual receberão mais de 550 mil cadeiras, mesas, talheres em inox, pratos, banquetas, armários, mesas-refeitório, refrigeradores, além de climatizadores que estão sendo destinados para unidades de regiões mais quentes do Estado.

Entre para postar comentários
Top