Ministérios e serviços eclesiais!

O mês de agosto celebra as diversas vocações na Igreja.

Domingo, 23, vamos lembrar, de modo especial, a vocação para os ministérios e serviços na comunidade – a vocação dos leigos/as isto é, membros do laos – povo – que tem a missão de evangelizar a sociedade. Nas liturgias e preces em todas as comunidades da Diocese de Palmas-Francisco Beltrão, daremos graças ao Pai pelas lideranças, servidores discípulos missionários, que se põem a serviço do Evangelho, nos espaços eclesiais, sociais, culturais, políticos, econômicos, meios de comunicação e noutros ambientes de convivência humana.

Na Exortação Apostólica Evangelii Nuntiandi, do Papa Paulo VI, sobre a evangelização no mundo contemporâneo (cf. n. 73) afirma que os Ministérios diversificados, ou seja, a presença ativa dos leigos nas realidades temporais assume toda a sua importância. No entanto, é preciso não descurar ou não deixar no esquecimento outra dimensão: os leigos podem também sentir-se chamados ou vir a ser chamados para colaborar com os próprios Pastores ao serviço da comunidade eclesial, para o crescimento e a vida da mesma, pelo exercício dos ministérios muito diversificados, segundo a graça e os carismas que o Senhor houver por bem depositar neles.

Não é sem experimentar intimamente uma grande alegria que nós vemos uma legião de Pastores, religiosos e leigos, apaixonados pela sua missão evangelizadora, a procurarem moldes mais adaptados para anunciar eficazmente o Evangelho; e encorajamos a abertura que, nesta linha e com esta preocupação, a Igreja demonstra ter alcançado nos dias de hoje. Abertura para a reflexão, em primeiro lugar; e depois, abertura para ministérios eclesiais susceptíveis de rejuvenescer e de reforçar o seu próprio dinamismo evangelizador. Tais ministérios virão a ter um verdadeiro valor pastoral na medida em que se estabelecerem com um respeito absoluto da unidade e aproveitando-se da orientação dos bispos/padres, que são precisamente os responsáveis e os artífices da mesma unidade da Igreja.

Tais ministérios, novos na aparência, mas muito ligados a experiências vividas pela Igreja ao longo da sua existência, por exemplo, os de catequistas, de animadores da oração e do canto, de cristãos devotados ao serviço da Palavra de Deus ou à assistência aos irmãos em necessidade, ou ainda os de chefes de pequenas comunidades, de responsáveis por movimentos apostólicos, ou outros responsáveis, são preciosos para a implantação, para a vida e para o crescimento da Igreja e para a sua capacidade de irradiar a própria mensagem à sua volta e para aqueles que estão distantes. Nós somos devedores também da nossa estima particular a todos os leigos que aceitam consagrar uma parte do seu tempo, das suas energias e, às vezes, mesmo a sua vida toda, ao serviço das missões.

Auguramos vivamente que, em todas as dioceses, os bispos/padres velem pela formação adequada de todos os ministros da Palavra. Essa preparação séria fará aumentar neles a indispensável segurança, como também o entusiasmo para anunciar nos dias de hoje Jesus Cristo.

Espírito evangelizador
O Papa Francisco na Exortação Apostólica Evangelii Gaudium, a alegria do Evangelho, conclama os fiéis batizados, nossos leigos/as para o discipulado e atividades missionárias. Em todos os batizados, desde o primeiro ao último, atua a força santificadora do Espírito que impele à evangelizar. Em virtude do Batismo recebido, cada membro do povo de Deus tornou-se discípulo missionário. Certamente todos somos chamados a crescer como evangelizadores. Cada cristão é missionário na medida em que se encontrou com o amor de Deus em Jesus Cristo. Deste encontro com o Ressuscitado é possível proclamar cheios de alegria: “Encontramos o Messias” (Jo 1,41;– cf. EG 119-121).

Dom Edgar Ertl

Ler 110 vezes
Entre para postar comentários
Top