Quarta, 04 Novembro 2020 22:34

Pandemia: 1,3 milhão de pessoas acima dos 60 anos deixaram de trabalhar ou procurar emprego

Escrito por

Com a crise ocasionada pelo novo coronavírus, uma das camadas da sociedade mais atingida foram os idosos (Conforme o Estatuto do Idoso fazem parte do grupo pessoas com 60 anos ou mais).

Mais de 1,3 milhão de idosos deixaram de trabalhar ou de procurar emprego, na comparação do primeiro trimestre de 2020 com o mesmo período de 2019 (Dado do IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). " O preocupante desse número é que 5 milhões de famílias tem como renda apenas a renda do idoso. Em 20% das famílias, a renda do isso representa metade da receita da casa. Esses números são preocupantes e foram revelados pelo Ipea", evidencia Luciana Fontes, Superintendente do CEBRAC (Centro Brasileiro de Cursos).

Além do impacto econômico na rotina familiar, o idoso sem ocupação impacta a sua saúde mental e física. " Uma coisa é o idoso optar pela aposentadoria, ter essa garantia financeira e ocupar a mente com cursos, leitura e convivência com outras pessoas. Outra coisa é ele não ter acesso a recursos financeiros para se manter, querer exercer uma ocupação para a mente e se manter financeiramente e o mercado de trabalho não abrir oportunidade a ele por conta da idade. Por preconceito", explica Jefferson Vendrametto, responsável por desenvolver cursos profissionalizantes para todas as idades no CEBRAC.

Para facilitar a inserção nas pessoas mais maduras ao mercado de trabalho e vencer esse preconceito, o CEBRAC (Centro Brasileiro de Cursos) adaptou os seus cursos para atender essa camada mais madura. Além disso, a rede de cursos profissionalizantes direciona esses estudantes para vagas de trabalho por meio da agência CEBRAC Empregos. Vários alunos do CEBRAC são pessoas acima dos 60 anos como a Dona Maria Amelia, de 78 anos.

Maria Amelia de Carvalho tem 78 anos e é natural de Ribeirão Preto, SP. Com a pandemia, dona Maria adquiriu um celular usado para conseguir acompanhar as aulas do seu curso de Assistente Administrativo. Além disso, toda a semana, um responsável pela escola CEBRAC de Ribeirão Preto deixa na residência da dona Maria materiais de leitura. " Ela está aprendendo a mexer no celular. Nós, da escola, a ajudamos a escolher o aparelho. Como ela está em adaptação com o celular levamos também os materiais de leitura impressos e ensinamos, de forma virtual, ela mexer no celular. Ela é muito esforçada e uma das nossas alunas mais dedicadas", Adriano Santos, Coordenador Pedagógico do CEBRAC- Ribeirão Preto.

Segundo uma pesquisa desenvolvida pela Bayer, 22,8% dos idosos, em todas as regiões do Brasil, nunca leem ou praticam atividades que estimulem o cérebro. Isso pode acarretar no aparecimento de Alzheimer precoce e outras doenças, como depressão.

" Aprender administração, na idade que estou, é muito gratificante. Gosto muito dos meus amigos do CEBRAC, professores, e de todo o cuidado que eles tem comigo. É desafiador e bom para mim fazer o curso", conta Dona Maria, de 78 anos estudante do CEBRAC.

O desemprego já atingiu 13,13 milhões de pessoas é o maior índice desde 2012 (Dado do IBGE). " Como a Dona Maria, milhares de idosos estão se profissionalizando e aprendendo a usar a tecnologia. As empresas só tem a ganhar ao contratá-los. Afinal, o trabalho em casa já é uma realidade, o que não fará esse idoso ficar exposto ao exercer as suas atividades laborais, e a empresa ainda terá um profissional experiente no seu quadro. Contrate os idosos", finaliza Vendrametto, responsável pelo CEBRAC.

Ler 35 vezes
Entre para postar comentários
Top