Startup do Sudoeste está na fase final do Capital Empreendedor
A EdukaMaker, de Henrique Alves Camargo e Diego Bassani, é de Francisco Beltrão e está entre as quatro paranaenses selecionadas Divulgação

Programa prepara empreendedores de negócios inovadores no âmbito dos investimentos; rodada com investidores acontecerá nos dias 17 e 18 de novembro

Quatro startups do Estado, clientes do Sebrae/PR, foram selecionadas para a fase final do Capital Empreendedor, programa do Sebrae Nacional que visa aproximar as startups de potenciais investidores. Cor.Sync e Huntax (ambas de Curitiba), Docato (Ponta Grossa) e EdukaMaker (Francisco Beltrão) figuram entre as 41 selecionadas em todo o Brasil para o Circuito de Investimentos, etapa final marcada para 17 e 18 de novembro. Nesta edição, 900 startups de todo o País foram inscritas.

Por meio de plataforma digital, estão programadas três rodadas de negócios no Circuito, com a participação de 96 investidores. O formato adota forma de cruzamento em que os investidores definem quais as startups querem conhecer. Cada investidor poderá conversar com até quatro startups por rodada e os bate-papos terão duração de 20 minutos. Antes, no dia 16, as startups participarão de preparação extra, com oficinas, análise dos perfis de inovação e empreendedorismo e mentorias relacionadas a comportamento e modelos de negócio.

Elizandro Ferreira, consultor do Sebrae/PR e gestor estadual do programa, destaca que a metodologia do Capital Empreendedor tem preparado as startups no âmbito dos investimentos.

“As empresas estão robustas o suficiente para participar da etapa final e apresentar seus negócios perante investidores”, afirma Ferreira. O consultor reforça que as quatro startups finalistas e outras seis que chegaram à fase estadual do programa estão recebendo consultorias do Sebrae/PR até o final deste ano. Cor.Sync, Huntax, Docato e EdukaMaker continuarão sendo preparadas pelo Capital Empreendedor em 2021.

De Francisco Beltrão, no sudoeste do Paraná, a EdukaMaker é uma startup que atua no setor educacional, com soluções para que os alunos tenham acesso e criam novas tecnologias, seguindo a proposta de aprender fazendo. Henrique Alves Camargo, sócio na empresa ao lado de Diego Bassani, comenta que o Circuito de Investimentos é uma vitrine para o negócio.

“É uma ótima oportunidade para que os investidores possam conhecer nossas soluções e para que também possamos conhecê-los. Sem o Sebrae como ponte, seria muito mais difícil ter essas conversas”, analisa Camargo. Ele acrescenta que o empreendimento cresceu com a participação no programa, ganhando maturidade comercial.

Para Raul de Macedo, um dos fundadores da Cor.Sync, startup curitibana que atua no mercado há pouco mais de um ano, o resultado da seleção é o reconhecimento do Sebrae e a oportunidade de representar o Paraná na etapa nacional do Capital Empreendedor.

“É uma chance única de expor nosso projeto para investidores e para o ecossistema. Temos a missão de revolucionar a forma de fazer o diagnóstico de infarto, e para isso, precisamos de todo o apoio que conseguirmos. Durante o evento, esperamos encontrar pessoas que tenham o mesmo propósito e possam nos ajudar a começar a salvar vidas o quanto antes”, explica Raul.

Vinicius Felipe Caimi Leonart, da Huntax, startup de tecnologia tributária, também de Curitiba, salienta que estar entre as quatro startups paranaenses indicadas à final do Capital Empreendedor traz o sentimento de dever comprido.

“A nossa expectativa é fazer um bom evento e, com isso, gerar bons negócios. Sabemos que teremos uma grande vitrine com investidores. Acreditamos muito em nosso propósito e nosso objetivo é transparecer esse propósito para quem nos escuta”, comenta Vinicius.

O fundador da startup ponta-grossense Docato, Vicente Barbur Neto, elogia as mentorias disponibilizadas no programa.

“Pudemos compartilhar experiências com outras startups com o mesmo nível de dificuldade que o nosso, mas com realidades distintas”, conta.

A startup Docato surgiu com a proposta de simplificar os processos burocráticos para empresas, otimizando tempo e os custos envolvidos. Com a utilização de robôs, inteligência artificial e especialistas, de forma presencial e digital, a ferramenta coleta dados e documentações dos mais diversos sistemas de instituições.

Evento aberto
O encerramento do programa Capital Empreendedor terá evento aberto ao público, no dia 18 de novembro, destinado especialmente a integrantes de startups e de ecossistemas de inovação e também investidores. Na programação, a partir das 17h, o presidente do Sebrae, Carlos Melles, fará a apresentação dos resultados; haverá ainda conversa com Laila Pawlak, da SingularityU Nordic, sobre “Como organizações exponenciais estão pensando o futuro?”; e a indicação das empresas destaque na edição 2020. Mais informações na página do programa (capitalempreendedor).

R$ 21 milhões
O Capital Empreendedor está na terceira edição e já realizou mais de seis mil horas de capacitações e mentorias para cerca de 500 startups, que foram acompanhadas desde a etapa inicial de workshops até o Circuito de Investimentos. Nas duas edições anteriores do programa, 30 empresas fizeram acordos de investimentos, totalizando R$ 21 milhões aportados nesses negócios.

 

Ler 39 vezes
Entre para postar comentários
Top