4º Jornada Mundial dos Pobres

No dia 20 de novembro de 2016, na conclusão do Ano Santo Extraordinário da Misericórdia, o papa Francisco instituiu o Dia Mundial dos Pobres.

Na mensagem de lançamento o papa disse: “Este dia pretende estimular, em primeiro lugar, os crentes, para que reajam à cultura do descarte e do desperdício, assumindo a cultura do encontro. Ao mesmo tempo, o convite é dirigido a todos, independentemente da sua pertença religiosa, para que se abram à partilha com os pobres em todas as formas de solidariedade, como sinal concreto de fraternidade”.

No domingo, 15 de novembro de 2020, em comunhão com o papa Francisco e com todas as dioceses, católicos ao redor do mundo, que trabalham pela vida, recordamos o Dia Mundial dos Pobres. Será uma ocasião de reflexão e oração, seguida de gestos concretos, principalmente com os desempregados, com os “descartados da sociedade”, os abandonados, chamando-nos a responsabilidade em favor de irmãos e irmãos em situações de vulnerabilidade social e econômica abissal, em consequência da já estabelecida desigualdade social, e acentuada em virtude da pandemia do coronavírus. Para o Papa Francisco, “vivemos uma época de contradições: de um lado, somos testemunhas de um progresso sem precedentes em vários campos da ciência; de outro, o mundo enfrenta múltiplas crises humanitárias, com um aumento do número de pessoas que lutam contra a fome e que a pandemia está agravando”.

Mãos estendidas, prolongamento do coração!

“Estende a tua mão ao pobre” (Eclo 7,32). Este versículo bíblico é o lema da 4ª Jornada Mundial dos Pobres deste ano, de 2020. Para o autor bíblico a caridade atrai a bênção completa do Senhor. Estender a mão ao necessitado, aos amigos, aos nossos pais é um gesto nobre de acolhida, de misericórdia e compaixão. Estender a mão é prolongar-se ao outro, ao necessitado e compartilhar com ele o que sou e o que tenho. Mãos estendidas são mãos que prolongam o coração pleno de amor e cumplicidade sempre em direção de quem necessita de mim. Será que a nossa vocação é para os outros ou unicamente para os meus benefícios? Minha inteligência, minhas posses, talentos e dons podem e devem prolongar-se, estender-se ao meu irmão.

Verdade que manter-se com o coração e com o olhar para o pobre é desafiador, por vezes difícil, todavia, necessário para imprimir a justa direção à nossa vida pessoal, social e eclesial. Os tempos hodiernos nos desafiam deveras, a pandemia nos surpreende a cada dia e a tentação da sociedade em geral é o recuo aos que sofrem e padecem as mais variadas consequências da doença. Estender a mão é um sinal, um apelo imediatamente à aproximação, à solidariedade e ao amor de entranhas, ao amor bíblico, teológico, amor que salva.

Semana Nacional

A mobilização da Jornada Mundial dos Pobres de 2020, será realizada de 8 a 15 de novembro. A proposta é estar com as pessoas em situação de pobreza, rezar com elas e também lutar por políticas públicas, econômicas, reformas dos programas sociais e ações de erradicação da extrema pobreza e combate à desigualdade social, são algumas das propostas imediatas e viáveis de serem realizadas nesta semana especial, mesmo que os tempos são atípicos para organizá-las e promover eventos com maior número de pessoas.

Que o apelo da Igreja, do Papa Francisco em favor dos empobrecidos ressoe em todas as comunidades da Diocese de Palmas-Francisco Beltrão e em cada coração dos cidadãos que vivem no Sudoeste do Paraná. Que nossas mãos estendidas sejam as atitudes rotineiras e não unicamente uma vez ao ano ou quando solicitadas – mãos benevolentes.

Dom Edgar Ertl

Ler 145 vezes
Entre para postar comentários
Top