Prêmio valoriza projetos sociais na pandemia e divulga vencedores

Edição deste ano reconheceu instituições que promoveram atividades solidárias e voluntárias no âmbito da pandemia.

 

O prêmio foi concebido pela Superintendência Geral de Ação Solidária do Governo do Estado.

O Prêmio Ação Solidária de 2020 divulgou nesta semana os nomes das instituições que venceram a corrida simbólica do bem contra o novo coronavírus. A Pastoral da Criança conquistou a categoria Saúde, a Associação Evangélica Cristo Redentor Unidade Dorcas foi a melhor na seletiva de Educação e a CUFA Paraná dominou em Necessidades Básicas.

A edição deste ano reconheceu instituições que promoveram atividades solidárias e voluntárias no âmbito da pandemia da Covid-19. Foram 127 instituições habilitadas no edital, que ficou aberto durante um mês (23 de outubro a 23 de novembro). A eleição ocorreu em um sistema misto que envolveu votação popular e avaliação de um comitê formado por secretários de Estado, servidores da Educação e da Superintendência Geral de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e uma procuradora do Ministério Público.

O prêmio foi concebido pelo Governo do Estado, por meio da Superintendência Geral de Ação Solidária (SGAS), com o objetivo de valorizar, reconhecer e dar visibilidade a projetos e instituições que se reinventaram no período da crise de saúde pública. O concurso também recorda o Dia Internacional do Voluntário e o Dia Internacional da Solidariedade Humana, comemorados em dezembro.

“Esse prêmio é fruto de uma campanha desenvolvida pela Superintendência Geral de Ação Solidária e tem natureza simbólica”, afirmou a primeira-dama Luciana Saito Massa, que preside o Conselho da SGAS. “Buscamos valorizar projetos sociais realizados por instituições do terceiro setor durante o enfrentamento da pandemia, concedendo reconhecimento e visibilidade para suas causas. Foi um ano muito desafiador no voluntariado e esse prêmio ajuda a celebrar esses esforços que salvaram vidas”.

Segundo a primeira-dama, o Prêmio Ação Solidária de 2020 ajudou a gerar engajamento nas comunidades e nos municípios e mostrou mais uma vez que a sociedade ganha quando o Governo do Estado, o setor privado e as instituições que agrupam iniciativas sociais trabalham em parceria.

Os responsáveis pelas iniciativas vencedoras poderão ser convidados a participar de eventos ou missões organizadas pela SGAS com o objetivo de valorizar, incentivar e disseminar ainda mais atividades de voluntariado. Esse calendário ainda não está definido e depende das condições da pandemia no Paraná.

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL – Um dos critérios para a habilitação das iniciativas das instituições foi o atendimento a pelo menos um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU), como erradicação da pobreza, promoção de saúde e bem estar, estímulo a cidades e comunidades sustentáveis e fortalecimento da paz e da justiça.

Dessa maneira, o Prêmio Ação Solidária também ajudou a fortalecer uma agenda cada vez mais presente no Governo do Estado e que conta com a parceria da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). O Paraná é pioneiro ao estabelecer projetos pilotos e uma rotina diária de avaliação de indicadores nos municípios para alcançar resultados satisfatórios na área social.

PASTORAL DA CRIANÇA – A Pastoral da Criança concorreu com as ações desenvolvidas junto às famílias acompanhadas pela instituição com o AppVisita Domiciliar, um material de “E-capacitação” sobre o coronavírus, com informações específicas e atualizadas para ajudar famílias mais vulneráveis a enfrentar a pandemia.

Além desse material, a Pastoral da Criança disponibiliza uma ferramenta para organizar redes de solidariedade em comunidades, facilitando as ações e minimizando os riscos. Cerca de 1.100 pessoas recebem, diariamente, conteúdos e mensagens via correio do aplicativo.

A Pastoral da Criança acompanha apenas no Paraná 87.093 crianças, 4.582 gestantes, em 2.683 comunidades de 291 municípios, por meio de 7.796 voluntários.

DORCAS – O projeto Dorcas, idealizado por membros da igreja luterana Comunidade do Redentor em Curitiba, nasceu em 1996. Desde então os participantes auxiliam famílias em situação de vulnerabilidade social de Almirante Tamandaré, na Região Metropolitana de Curitiba, principalmente com atividades educacionais, esportivas e capacitação de jovens e adultos.

Durante a pandemia, a instituição promoveu a entrega de cestas básicas a 104 famílias, distribuiu itens de higiene e limpeza, organizou pelo WhatsApp um sistema de atividades para as crianças e adolescentes e promoveu aulas online de música, inclusive com o empréstimo de instrumentos para garantir a continuidade do interesse das crianças. Os técnicos da Dorcas ainda promoveram atendimento psicológico e social.

CUFA PARANÁ – A CUFA é uma organização reconhecida nacionalmente pelas atividades desenvolvidas nas favelas. Ela foi criada a partir da união entre jovens de várias comunidades do Rio de Janeiro que buscavam espaços para expressarem suas artes e questionamentos.

No Paraná, a organização elabora projetos sociais, culturais, desportivos e de empreendedorismo. A instituição é responsável, por exemplo, pela Taça das Favelas, Conexão Cultura, Fórum Paranaense das Favelas e Viradão Esportivo.

A CUFA Paraná distribuiu cerca de R$ 13 milhões em doações em seis meses de atendimento em conjunto com parceiros da iniciativa privada. Em média, a entidade atendeu 221 mil pessoas por mês em mais de 500 comunidades de 25 municípios do Estado. As ações fizeram parte das campanhas Favela contra o Vírus e Mães da Favela

Ler 243 vezes
Entre para postar comentários
Top