Agricultura - Jornal Novo Tempo

O Programa Paraná Energia Rural Renovável (RenovaPR) já tem 656 projetos elaborados a pedido de interessados em instalar unidades de energia solar fotovoltaica ou biodigestor, alcançando o montante de R$ 120 milhões. Desses, 244 projetos técnicos já estão em bancos para financiamento, o que representa R$ 43.984.617,96.

Em aproximadamente dois meses após o lançamento, pelo menos 5 mil produtores rurais já procuraram os escritórios municipais do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná-Iapar-Emater (IDR-Paraná) em busca de informações.

Além do atendimento ao agricultor, o IDR-Paraná lançou editais de chamada pública para interessados em prestar serviços para energia solar e biogás em ambientes rurais. Até este momento, o Edital 001/2021, para integradoras de energia solar, possui 346 empresas cadastradas. Dessas, 321 já passaram por todo o processo e estão homologadas para atender produtores rurais em projetos. O Edital 002/2021, para a modalidade biogás/biometano, tem até agora 13 empresas cadastradas e nove já homologadas.

O secretário de Estado da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, destacou que o Paraná está dando oportunidade para que os produtores mostrem ao mundo sustentabilidade e capacidade de inovação para garantir mais renda nas propriedades.

“A energia é um insumo cada vez mais relevante nos processos agrícolas, representando boa parte dos custos”, afirmou. “A geração própria, a partir de fontes renováveis, ajuda a reduzir custos, além de dar mais qualidade à energia, pela estabilidade no suprimento. Por isso, o agricultor precisa ter muito presente a importância dessa riqueza.”

Os produtores interessados precisam se dirigir à unidade municipal do IDR-Paraná mais próxima de sua propriedade. É ali que ele manifesta a vontade de aderir ao programa e opta, entre os homologados, a quem melhor atende seus objetivos. Caso pretenda aproveitar os benefícios do Banco do Agricultor Paranaense, pelo qual o Estado assume o pagamento total da taxa de juros, o produtor deve procurar também o agente financeiro credenciado a esse programa.

SUSTENTABILIDADE

Segundo o coordenador do RenovaPR, Herlon Goelzer de Almeida, do IDR-Paraná, o Estado possui hoje cerca de 2.300 unidades produtivas rurais gerando energia própria. Dessas, 2.100 pelo sistema solar fotovoltaico e 200 a partir de biodigestores.

“O programa RenovaPR colocou como meta 100 mil unidades produtivas gerando sua própria energia até 2030”, afirmou Almeida. O IBGE estima em 305 mil o número de estabelecimentos rurais no Estado.

Para ele, o incentivo à energia renovável por parte do governo e a crescente procura por parte dos produtores têm pelo menos duas variáveis importantes. Uma delas é o peso que a energia elétrica tem no custo de produção no meio rural.

“Existe um decreto presidencial estabelecendo que até 2023 a energia rural vai perder o subsídio concedido desde 1930, o que vai elevar ainda mais a tarifa. Então, o programa ganha mais importância como auxílio na redução do custo de produção”, argumentou o coordenador do RenovaPR. “Além disso, o Estado optou por substituir o programa Tarifa Rural Noturna pela medida mais duradoura e racional do estímulo à produção própria de energia renovável.”

De acordo com Almeida, tão relevante quanto o fator custo é a participação do Estado no cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), proposto pela Organização das Nações Unidas. O ODS 7 prevê que, até 2030, seja assegurado o acesso universal, confiável, moderno e a preço acessível à energia. Além disso, propõe que seja aumentada, de forma substancial, a participação de energias renováveis na matriz energética mundial.

MENOS GASTOS

Em Cafelândia, no Oeste, o primeiro contrato assinado do RenovaPR beneficiará a propriedade de 3,5 alqueires que Armindo Zuck tem com o filho Anderson no distrito de Campina.

Em todo o Estado, os extensionistas do IDR-Paraná já fizeram a proteção de 3.800 fontes. Só nas regiões de Maringá, Paranavaí, Londrina e Apucarana são 119 nascentes protegidas, em 32 municípios.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou, nos dias 1º e 2 de setembro, duas portarias (388 de 2021 e 389 de 2021, respectivamente) que mudam a forma como ocorre o controle do chamado vazio sanitário na cultura da soja e do período de plantio no país.

AMOP, IDR-PR e Sebrae/PR auxiliam municípios na adesão ao Susaf-PR, sistema que permite a venda de produtos da agroindústria familiar para todo o Paraná

A Crowil do Brasil, indústria de rações para cães e gatos, vai se instalar em Francisco Beltrão e iniciará atividades no início de 2022.

Produtores rurais de Santa Izabel do Oeste iniciaram na terça-feira (18) e seguiram no dia 19, um Curso de Gestão Rural, com o engenheiro agrônomo Miguel Ferri, do SENAR, numa parceria entre a Secretaria de Agricultura de Santa Izabel do Oeste, Sindicato Rural, Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná - IDR Paraná, Serviço Nacional de Aprendizagem Rural - SENAR e Federação da Agricultura do Estado do Paraná - FAEP.

Da Assessoria

No dia 09, o deputado Reichembach e os membros da Cooperativa dos Produtores de Energia e Adubo (Coopenad) de Salgado Filho, João Zanck, Raimundo Mazotti e Elias Klein, estiveram na Copel em Curitiba. Recebidos pelos assessores da presidência, Rodrigo Priss e Volnei Dalla Valle, eles trataram do projeto da Coopenad de geração de biogás e biofertilizantes a partir dos resíduos da produção de suínos.

Agricultores e lideranças ligadas ao setor rural acompanharam na sexta-feira, 06, no Espaço da Arte, o lançamento do Programa de Desenvolvimento Rural (Proder) da Prefeitura de Francisco Beltrão.

Iniciativa prevê realização de consulta pública, desde o dia 3 de agosto, com consumidores finais, produtores das IGs e a sociedade em geral

A história de Leocledes Gossler, conhecido como Tico, e Giovana Karina Gregolon é cheia de reviravoltas.

Página 1 de 98
Top