Comportamento - Jornal Novo Tempo

Estima-se que entre 10 e 12% das pessoas sejam canhotas. Mas mesmo com esse expressivo número, aqueles com mais habilidade na mão esquerda sofrem para se encaixar em um mundo 'feito' por e para destros. Para aumentar a conscientização sobre suas dificuldades.

Você lembra os seus sonhos? Isso pode significar que você é mais atento ao que está ao seu redor quando está desperto.

De acordo com neurocientistas há até uma relação entre o uso dessas substâncias e uma menor ocorrência de doenças mentais.

Nem música clássica, nem palavras cruzadas: neurocientista diz que atividades para o corpo é que melhoram a capacidade cerebral.

Pesquisa revela que jovens com Q.I. mais alto têm maior probabilidade de fazer uso de substâncias ilícitas - entenda.

Pesquisadora entra em grupo amador de canto e escreve livro para provar, com fundamento científico, porque soltar a voz faz bem.

Dispositivo também prevê incentivos fiscais para empresas que adotarem mesmas políticas

 

Fonte: Pragmatismo Político

 

A Câmara de Deputados do Uruguai aprovou em 08/08/13 a Lei de Ações Afirmativas para a população afrodescendente, pela qual o Estado deverá reservar 8% das vagas em concursos públicos. As informações são do jornal El Observador.

 

Também está prevista uma quota nas magistraturas outorgadas pelo Ministério de Educação e Cultura para estudantes afrodescendentes que pretendam fazer cursos de pós-graduação no exterior.

 

O texto também estabelece incentivos fiscais para empresas que estabeleçam quotas para afrodescendentes e fomenta a participação dessa parcela da população em cursos de formação profissionalizantes.

 

“Trata-se de uma lei que, em primeiro lugar, se baseia no reconhecimento do tráfico de escravos como um crime contra a humanidade que se propõe a começar essa reparação através de ações afirmativas (…) com o objetivo de reintegrar a população afrodescendente”, explicou Andrés Scagliola, diretor da Secretaria Macro de Políticas Sociais do Mides (Ministério de Desenvolvimento Social).

 

Segundo o dirigente, a intenção do governo é, no futuro, aumentar esse percentual, ou seja, a quota de 8% ainda pode ser reajustada para cima.

Após a aprovação, a lei terá 90 dias para ser regulamentada pelo MEC (Ministério da Educação e Cultura), o Mides e o Ministério do Trabalho.

 

“É uma lei que abre um caminho para as ações afirmativas no Uruguai em relação à diversidade étnica e racial. Sabemos que existem diferenças significativas entre a maior parcela da população e a parcela afrodescendente em relação a nível de pobreza, acesso a empregos de qualidade, acesso à seguridade social e educação. Por isso, posso dizer que hoje é um dia histórico”, disse Scagliola, que acompanhou a votação.

Fonte: Agência Brasil

Há 350 milhões de anos o planeta Terra enfrentava mudanças climáticas semelhantes às vividas atualmente, disse o pesquisador alemão Ulrich Glasmacher, da Universidade de Heidelberg. "(Mudanças climáticas) não são fenômenos novos na história.

Veja como garantir a diversão da família toda na comemoração da data

Segundo jornal, 1% das famílias que visitam o parque contrata o ‘serviço’

 

 
Por Ariane Donegati

Para escapar das longas filas das atrações do parque de diversões da Disney, em Orlando, famílias ricas de Nova York estão pagando pessoas com deficiência para se passar por seus parentes e, assim, ultrapassar quem está esperando nas filas. A denúncia feita pelo jornal New York Post com a ajuda da antropóloga Wednesday Martin que descobriu o esquema, ela afirma que 1% das famílias que visitam o parque contrata esse tipo de serviço.

 

A Disney permite que visitantes com cadeiras de rodas ou que utilizem veículos motorizados tenham acesso às atrações sem pegar fila e que sejam acompanhados por seis familiares. O esquema nada nobre custaria cerca de US$ 130 por hora ou um pacote com oito horas de jornada com US$ 1040.

 

A justificativa para o ato, segundo uma das mulheres que pagou pelo tour seria que na fila, sua filha teria de esperar por duas horas e meia e, com a ajuda do serviço, conseguiu entrar na atração em apenas um minuto. “Não posso ir para a Disney sem o serviço de concierge, isso é como 1% das pessoas passeia pela Disney”, afirma a mulher que contratou uma pessoa num veículo motorizado (específico para deficientes físicos ou para pessoas acidentadas) para acompanhar ela e sua família ao parque.

 

A Disney também oferece um passe VIP que custa US$ 350 (cerca de R$ 720) por hora, ou seja, mais de US$200 a mais do que contratar um deficiente para que ele finja ser parte de sua família.

 

Quando procurada pelo jornal norte-americano para falar seu lado, a Disney preferiu não se pronunciar.

Página 6 de 19
Top