Terça, 19 Dezembro 2017 08:37

O Senhor está próximo! Alegremo-nos!

Estamos entrando na Terceira Semana do Advento. A festa do Natal do Senhor está próxima.

Publicado em Outros Colunistas
Quinta, 02 Junho 2016 09:33

Efeitos do desemprego

Marcello Richa

Nesta semana foi divulgado um estudo promovido pela Associação Brasileira das Empresas de Pesquisa (Abep) que apontou a queda de aproximadamente um milhão de famílias na escala social apenas no último ano.

Publicado em Outros Colunistas
Terça, 11 Agosto 2015 09:34

PAI: Esse Cara Tem Tudo a Ver!

Hoje vamos falar sobre uma pessoa bastante especial, não por que neste mês estamos com um dia definido pelo calendário como sendo específico dele, mas porque este cara, de fato, tem tudo a ver.

Publicado em Colunistas

Cleber Fernando Serafin – Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Com a chegada da estação chuvosa, temos que nos preparar para enfrentar essa rotina de casacos, garoa, e passar o dia todo molhado. Mas os casacos impermeáveis, uma tendência moderna de roupas que voltam a sair dos armários com esta necessidade. E com eles, mais que um conforto, e sim uma comodidade que temos a agradecer ao desenvolvimento da química.

Apesar de sua origem remonta pelo menos ao Século XIII, aos indígenas da América do sul que cobriam as roupas com látex para torná-los impermeáveis. A ideia foi importada pelos europeus, mas o sucesso não foi imediato: os primeiros impermeáveis eram pesados, desconfortavelmente rígidos e devido ao solvente utilizado para espalhar a cobertura do látex sobre os tecidos eram sobretudo, bastante mal cheirosos.

Com o desenvolvimento da química de polímeros permitiu que os impermeáveis se fossem tornando cada vez mais leves, flexíveis e inodoros. Além da qualidade mais notável dos impermeáveis modernos é que também permitem a transpiração da pele, isto é, impedem a entrada da água da chuva, mas permitem a saída do vapor de água libertado pela transpiração.

Mas como isso é feito. O efeito é obtido através da criação de estruturas com minúsculos poros, por onde as gotas de água não entram, mas as moléculas de vapor de água (isoladas) podem passar facilmente. Os modernos tecidos impermeáveis arejados são obtidos com duas camadas de polímeros de propriedades diferentes: uma primeira camada de um polímero microporoso hidrofóbico, ou seja, que repele a água; e uma camada de poliuretano, que fica virada para dentro – mais próxima da pele – que é hidrofílica, ou seja, atrai a água e absorve a humidade que se liberta da pele.

Então entra em ação um pouco de termodinâmica: a diferença de temperatura entre o lado de dentro e o lado de fora cria as condições necessárias para que as moléculas de água absorvidas pelo poliuretano sejam empurradas para o exterior.

Enfim, se você vestir um impermeável e se sentir como se estivesse numa sauna, então é porque ele ainda não está a tirar partido do desenvolvimento da química dos polímeros e provavelmente está com um tecido plástico de baixa qualidade.

Professor do IFPR – CAPANEMA, Bacharel em FARMÁCIA E BIOQUÍMICA (UFMS), especialista em BIOQUÍMICA (UFMS), licenciado em QUÍMICA (FGF), mestre em ENGENHARIA AGRÍCOLA (UNIOESTE), mestre em CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS (UNIOESTE) e doutorando em ENGENHARIA AGRÍCOLA (UNIOESTE)

Publicado em Geral
Domingo, 22 Março 2015 21:00

Radioatividade: VENENO MORTAL?

Cleber Fernando Serafin – Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Uma mulher que deve ser referência para todo público feminino é uma química/ física polonesa nascida em Varsóvia em 7 de novembro de 1867 chamada Marie Sklodowska, que assumiu o nome deMarie Curie após o casamento.

Publicado em Geral

Por Douglas Meneghatti

 

Vaidade das vaidades, tudo é vaidade diz o livro bíblico do Eclesiastes.

Publicado em Colunistas
Top